Ácido Clorogênico ACG – Metabolismo, biodisponibilidade, fontes…

Última atualização: 21/08/2021

O ácido clorogênico (ACG) é um ácido fenólico.

Fontes:

O café é a principal fonte de ácidos clorogênicos na dieta ocidental, e no brasil a erva mate também tem sua devida contribuição nessa ingestão. (1) Existem fontes alimentares de ácidos clorogênicos como a maça, pera, batata, mirtilo, kiwi, pêssego, ameixa e endívia. (1)

1 xicara de café (200mL) pode conter entre 70-350mg de ácidos totais. (1)

1 xicara de chá mate (200mL) pode conter 120mg. (1)

1 Cuia de chimarrão (500mL) pode conter cerca de 1g de ACGs. (1)

100g de “frutos” podem conter entre 50-200mg de ACGs. (1)

Biodisponibilidade:

A biodisponibilidade de ACGs e os metabólitos que chegarão aos tecidos corporais dependem em grande parte do seu metabolismo pela microflora intestinal e por enzimas endógenas, sendo que os compostos encontrados no sangue e tecidos diferem daqueles presentes nos alimentos. (1)

Metabolismo:

A absorção e a metabolização dos ACGs têm início no estomago, e após a ingestão, podem sofrer hidrolise por esterases presentes na membrana do trato gastrointestinal ou de origem microbiana e subsequente absorção dos ácidos cinâmicos livres (quínico, cafeico, ferúlico). (1)

Referências bibliográficas:

1 – Philippi ST, Pimentel CV de MB, Elias MF. Alimentos Funcionais e compostos bioativos. 1a. São Paulo: Manole; 2019. 893 p.