Acne Vulgaris – Fisiologia, tratamento, terapia nutricional, suplementação…

Última Atualização: 22/08/2021

Em mulheres, tanto pílulas contraceptivas, quanto aparelhos intraulterinos, contendo progestinas androgênicas podem ser causadoras da acne. (1)

Em homens, é comum ver a acne associada ao uso de esteroides anabolizantes, principalmente em levantadores de peso e bodybuilders. (1)

Diagnóstico:

O diagnostico é feito através da presença de comedões, pápulas e pústulas em regiões com abundancia em glândulas sebáceas. (2)

Alterações bioquímicas:

– Níveis elevados de  IGF-1. (1)

– Menor concentração plasmática de Vit. A e E. (3)

– Menor concentração de selênio, zinco plasmáticos. (3)

Objetivo do tratamento:

Tratamento médico:

Farmacologia:

Terapia nutricional:

Resumo:

  • Não existem mudanças dietéticas especificas recomendadas no manejo da acne. (4)
  • Dietas com baixa carga glicêmica. 
  • Avaliar consumo do leite e derivados, preferindo produtos  integrais.
  • Ajustar a ingestão de zinco, selênio.
  • Ajustar vitamina A e E, além de fornecer outros antioxidantes (chá verde, cacau…)
  • Reduzir o consumo de gorduras trans
  • Aumentar consumo de fibras

Suplementação nutricional:

  • Ômega-3 (ainda não há evidência suficientes)
  • Sulfato de zinco 400-600mg/dia (apresenta efeitos colaterais e ainda não há evidências suficientes)
  • Vitamina A (retinol) 300.000-500.000U/dia
  • Vitamina D
  • Zinco (ainda não há evidências suficientes))

Orientações nutricionais:

  •   

Carga glicêmica:

Uma alta carga glicêmica e um elevado índice glicêmico pode piorar a acne. Leite e derivados tbm. Podendo destacar também a vitamina A. (5,6)

Estudos tem demonstrado que uma dieta com uma baixa carga glicêmica foi capaz de promover uma diminuição do desenvolvimento da acne em relação ao grupo que não foi submetido a nenhuma intervenção. (7)

Leite e derivados:

(+Sobre o leite)

Foi demonstrado uma relação de leite e derivados com a acne. (5,6)

Leite e derivados por conterem caseína e whey protein são capazes de elevar as taxas de IGF-1 e insulina. (2) E alguns estudos tem demonstrado que pacientes com acne apresentam níveis de IGF-1 mais elevados do que os pacientes sem acne. (2)

Tem se postulado que o leite desnatado apresenta uma menor quantidade de estrógeno, um hormônio conhecido por reduzir a acne.  Além disso, se é postulado que o processo de retirada da gordura do leite pode exacerbar fatores responsáveis pelo aumento da acne. (2,3)

Parece que o processamento UHT é capaz de diminuir as concentrações de microRNA adquirindo um efeito protetor contra a acne. (2)

Porém, tanto queijos como iogurtes não foram associados a aumento da acne, talvez devido ao processo de fermentação bacteriana. (2)

Ômega-3:

(+Sobre o omega-3)

Tem sido proposto que o ômega-3 pode ser importante na prevenção da acne, pois ele é  capazes de aumentar  as concentrações de IGFBP-3 e de reduzir as concentrações de IGF-1, sendo favorável na prevenção da hiperqueratinização dos folículos pilossebáceos.  (3,7)

Além disso, o ômega-3 apresenta propriedades anti-inflamatórias, entre elas a inibição do leucotrieno B4 (LTB4), substancia envolvida nos processos inflamatórios das lesões da acne. (3,7)

Apesar disso, ainda não existem evidencias suficientes para a prescrição do ômega-3 no tratamento na acne. (4)

Gorduras trans:

Os ácidos graxos presentes nas gorduras trans também podem favorecer o aparecimento da acne, pois competem com os ácidos graxos essenciais na síntese de prostaglandinas, o que potencializa a formação de substancias pró-inflamatórias. (7)

Zinco:

(+Sobre o zinco)

O zinco é um micronutriente essencial para o desenvolvimento e o funciomaneto da pele. (7)

A suplementação de zinco se mostrou eficaz, mas com evidências limitadas. Pacientes com acne mostraram níveis baixos de zinco plasmático. (3)

Estudos mostraram que a suplementação oral deste micronutriente melhorou a aparência da acne em pacientes com deficiência. Entretanto, doses comuns administradas nos estudos (400-600mg/dia de sulfato de zinco) foram associadas com transtornos gastrointestinais como náuseas e vômitos. (7)

Esses efeitos colaterais podem ser reduzidos pelo consumo do suplemento logo após  as refeições ou pela redução da dosagem. Deve-se atentar também aos possíveis efeitos adversos da ingestão em longo pazo de doses que ultrapassem o limite superior tolerável de ingestão (UL) (7)

Não existem evidências suficientes para a prescrição do zinco no tratamento na acne. (4)

Selênio:

(+Sobre o selênio)

Foi visto que a quantidade de selênio plasmático também tendeu a estar reduzido em pacientes com acne. (3)

Vitamina A:

(+Sobre a vitamina A)

Um estudo demonstrou que a vitamina A pode estar relacionada com a acne. (5,6)

Um estudou mostrou que a suplementação oral de vitamina A (retinol) é efetiva no tratamento da acne quando utilizada altas doses (300.000U dia) em mulheres e (400.000-500.000 U/dia) em homens. (7) Sendo reforçado pelos autores a possibilidade desses pacientes apresentarem efeitos colaterais como xerose e queilites. (7)

Antioxidantes:

(+Sobre antioxidantes)

Tem sido sugerido que o estresse oxidativo pode implicar na origem da acne, de modo que suplementos e drogas antioxidantes podem ser uteis no tratamento. (3)

Outros tratamentos:

Fisiopatologia:

A acne vulgaris  é uma enfermidade inflamatória da unidade pilossebácea da pele conhecida e descrita há muitos anos. É uma dermatose que afeta entre 50-95 % dos adolescentes entre 12-18 anos. (2) Apesar de poder se desenvolver em qualquer pessoa, em todas as idades, ela é mais comum entre adolescentes homens. (2)

Fatores de risco:

  • Genética (2)
  • Desordens dos hormônios sexuais, especialmente os andrógenos (2)
  • Disfunções imunes (2)
  • Ambiente (2)
  • Fatores psicológicos. (2)

Fisiopatologia:

A acne é uma dermatose inflamatória crônica reconhecida pelos seus comedões e suas lesões inflamatórias pápulas, pústulas e nódulos. (4)

A acne é caracterizada por comedões, pápulas, pústulas, e, menos frequentemente, por nódulos, abscessos e cicatrizes. (7) Essa estrutura é formada em razão da obstrução do orifício de saída da unidade pilossebácea, com acúmulo de secreções, restos celulares e, algumas vezes, pode ser causada pelo ácaro Demodex Folliculorum. (7)

O desenvolvimento da acne se da através da superprodução de sebo pelas glândulas sebáceas resultando na proliferação e bloqueio da abertura dos folículos. (2)

Os principais fatores envolvidos na patogênese da acne vulgar são o aumento da produção de sebo, a queratinização anormal do epitélio folicular, a inflamação e a proliferação da bactéria propionibacterium acnes (P. acnes).

Esta se instala na glândula sebácea e seu metabolismo enzimático promove, por hidrolise dos triacilgliceróis a liberação de substancias irritantes que, por sua vez, atuam como quimiotáticos para as células do sistema imunológico. (7)

Tem sido proposto que hábitos dietéticos especialmente o padrão de dieta ocidental,  com alto índice glicêmico e rico em ômega-6 contribuem para o desenvolvimento da acne. (2)

A acne tem uma grande responsividade à hormônios, tanto endógenos quanto exógenos. (1)

A acne não é apenas uma condição hormonal, mas uma condição multifatorial sendo influenciada tanto por hormônios como pela microbiota da pele. (Daniel Coimbra)

Índice glicemico / igf-1 / igfbp-3:

Algumas evidencias tem relacionado a acne a dietas de alto índice glicêmico. (4)

Os alimentos que elevam rapidamente a glicemia provocam uma hiperinsulinemia aguda, que induz a ativação de uma cascata endócrina afetando as glândulas sebáceas, bem como a queratinização folicular. (7) Esse processo está relacionado com o envolvimento do fator de crescimento semelhante à insulina (IGF-1), da proteína 3 de ligação ao fator de crescimento semelhante a insulina (IGFBP-3), dos hormônios andrógenos e dos retinoides endógenos.  (7)

A hiperinsulinemia aumenta as concentrações de IGF-1 e reduz as de IGFBP-3. (7)

O IGF-1 livre no plasma apresenta ação mitótica potente e provoca a hiperqueratinização folicular, que contribui para a formação da acne. (1,2,7)

Por outro lado, a redução do IGFBP-3 eleva as concentrações séricas de insulina, e, concomitantemente ao consumo de refeições com alta carga glicêmica, contribui para a desregulação da proliferação celular no folículo, já que que atua como fator inibitório de crescimento, impedindo a ligação do IGF-1 em seus receptores. (7)

A acne também tem sido relacionada ao GH. No fígado, o GH induz a síntese e secreção de IGF-1, responsável pela estimulação do crescimento. Tanto o GH quanto o IGF-1, em conjunto com a insulina, afetam o  crescimento e a diferenciação dos sebócitos. (1)

O IGF-1 também é capaz de aumentar receptores de andrógenos e aumentar a produção de testosterona e dihidrotestosterona (DHT) levando a uma maior atividade androgênica e a uma maior estimulação do crescimento das células foliculares, consequentemente, aumentando a acne. (2)

Estresse oxidativo:

Tem sido sugerido que o estresse oxidativo pode implicar na origem da acne (3)

Referências bibliográficas:

1- Danby FW. Nutrition and acne. Clin Dermatol [Internet]. 2010;28(6):598–604. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.clindermatol.2010.03.017

2- Aghasi M, Golzarand M, Shab-Bidar S, Aminianfar A, Omidian M, Taheri F. Dairy intake and acne development: A meta-analysis of observational studies. Clin Nutr [Internet]. 2019;38(3):1067–75. Available from: https://doi.org/10.1016/j.clnu.2018.04.015

3- Bowe WP, Joshi SS, Shalita AR. Diet and acne. J Am Acad Dermatol [Internet]. 2010;63(1):124–41. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jaad.2009.07.043

4- Zaenglein AL, Pathy AL, Schlosser BJ, Alikhan A, Baldwin HE, Berson DS, et al. Guidelines of care for the management of acne vulgaris. J Am Acad Dermatol [Internet]. 2016;74(5):945-973.e33. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jaad.2015.12.037

5- Akpinar Kara Y, Ozdemir D. Evaluation of food consumption in patients with acne vulgaris and its relationship with acne severity. J Cosmet Dermatol. 2020;19(8):2109–13.

6- Baldwin H, Tan J. Effects of Diet on Acne and Its Response to Treatment. Am J Clin Dermatol [Internet]. 2021;22(1):55–65. Available from: https://doi.org/10.1007/s40257-020-00542-y

7- Cominetti C, Cozzolino S. Bases bioquímicas e fisiológicas da nutrição nas diferentes fases da vida, na saude e na doença. 2a. Manole; 2020. 1369 p.