Capsaicina – Suplementação, efeitos no organismo, segurança…

Última Atualização: 23/08/2021

A capsaicina (8-metil-N-vanilil-6-nonenamida) é a molécula responsável pela sensação de dor gerada pelas pimentas.

Sua absorção ocorre de forma passiva e acontece em uma média de 1h.

Mecanismos de ação:

A capsaicina age no SNC  estimulando neurônios que secretam catecolaminas como epinefrina e norepinefrina, moléculas que regulam a via de sinalização da lipólise no tecido adiposo. (1)

Ela também induz além do circuito neuronal da dor, o aumento do consumo de oxigênio, da temperatura corporal e da oxidação de lipídios. (1)

Genes como o PPAR-γ,C/EBPα e leptina são modulados negativamente. Já  a adiponectina é modulada positivamente, revelando um papel no aumento da lipólise e na diminuição da lipogênese. (1)

Recomendações nutricionais:

  • 10g de pimenta vermelha contém em média 30 mg de capsaicina, quantidade suficiente para gerar um aumento significativo no gasto calórico. (1)
  • O SNS já apresenta estimulação com doses menores, a partir de 18mg.(1)
  • A pimenta malagueta apresenta 1,65mg/g. (1)
  • A pimenta dedo-de-moça apresenta 0,28 mg/g. (1)
  • A pimenta caiena apresenta algo entre 0,13 – 1,6 mg/g. (1)
  • Apesar de segura a capsaicina principalmente em obesos pode gerar irritações no sistema gastrointestinal. (1)

Referências bibliográficas:

1- Lancha Jr. AH, Rogeri PS, Pereira-Lancha LO. Suplementação Nutricional no Esporte 2a Ed. 2a. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2019. 266 p.