Cúrcuma – Curcuma longa L. – Curcumina – Metabolismo, efeitos no organismo, suplementação…

Última atualização: 16/04/2021

Planta:

Também conhecida como açafrão, gengibre dourado entre outros. (1)

Nome Farmacêutico:

Rhizoma Curcumae Longae (1)

Parte utilizada:

Rizoma; (1)

  • O açafrão da terra / cúrcuma apresenta como componentes bioativos a curcumina, desmetoxicurcumina, bisdemetoxicurcumina. (2)
  • OBS: Existe outra planta chamada açafrão.
  • OBS2: Curry = mistura de especiarias (coentro, cominho, feno-grego, cúrcuma, sementes de mostarda, pimenta do reino, gengibre).
  • Reduz a hiperglicemia – Talvez devido a sua ação anti-inflamatória
  • Efeito redutor de lipídeos – Devido ao aumento  da adiponectina e pela redução da resistina e leptina. Ou pela inibição de Proteínas de Ligação ao Elemento Regulador de Esterol. Ou pela repressão do 11β-hydroxysteroid desidrogenase. (2)
    • Efeito significativo na redução de triglicerídeos. (2)
    • Efeito significativo na redução  do colesterol total. (2)
    • Efeito significativo na redução do LDL. (2)
    • Efeito significativo no aumento do HDL. (2)
  • Outros possíveis mecanismos para a ação da curcumina são:  ciclo de TCA, glicólise, gliconeogenese, síntese de corpos cetônicos e colesterol, cetogênese de aminoácidos de cadeia ramificada, metabolismo da colina, metabolismo dos ácidos graxos (2)
  • Outros possíveis mecanismos são: afetar a transdução de diversas vias envolvendo a obesidade e a síndrome metabólica, inibindo a expressão de fatores lipogênicos, além de diminuir a concentração de IL-6 (relacionado a obesidade). (2)
  • Os efeitos vistos foram intensificados no longo prazo (8 semanas pelo menos)
  • Responsável pelo aumento da síntese de glutationa transferase.
  • Inibe AP-1, NF-Kβ, STAT3, MAPK’S, Wnt/β-CATEQUIN
  • Induz PPARγ, p53, Bax, Bak, Caspases, PARP, apoptose, quimiossensibilização, radiossensibilização.

Componentes Químicos:

Curcuminoides:

Os curcuminoides (polifenóis) são os principais constituintes (cerca de 70%-80%) da cúrcuma, dentre esses, a curcumina é o constituinte majoritário (cerca de 77%), seguido da demetoxicurcumina (cerca de 17%) e da bisdemetoxicurcumina (cerca de 3%) entre outros constituintes de menor proporção. (1)

O principal componente ativo da cúrcuma é a curcumina, um potente antioxidante que tem sido relacionado a um menor risco cardiovascular, retardo na oncogênese e com efeitos benefícios no perfil lipídico. (3)

A curcumina (diferloymethane) é um polifenol de coloração amarelo-alaranjada, derivado do rizoma de cúrcuma Longa. (4)

Dentre os principais  mecanismo de ação da curcumina, existe a modulação dos fatores de transcrição envolvidos na resposta inflamatória, como o NF-Kappaβ.(3,4)

Em animais, a suplementação de curcumina foi eficaz na redução das concentrações da interleucina 6, 1 e TNF-α após a realização de corrida em esteira. (4)

Em humanos, a suplementação de 90mg de curcumina antes do exercício associada à dieta foi capaz de atenuar marcadores de estresse oxidativos. (4)

Outro estudo testou a suplementação de 4g/dia em indivíduos 2 dias antes e 4 dias após o exercício que induziam a lesão muscular, reduzindo a expressão de citocinas inflamatórias e marcadores indiretos como a CK e a mioglobina. (4)

Óleo Essencial:

O óleo essencial é constituído por álcoois sesquiterpênicos e cetonas, tais como bisabolona, germacrona, α e β-zingibereno, curcumeno, bem como monoterpenoides (p-cimeno, β-felandreno, terpinoleno, p-cimen-8-ol, 1-8cineol, e borneol), diterpenoides e esteroides. (1)

O rizoma seco apresenta entre 1,5% – 5% de óleo essencial, sendo constituído principalmente de sesquiterpenoides responsáveis por seu sabor aromático e cheiro característicos, sendo a Ar-turmerona e a α-turmerona os principais sesquiterpenoides existentes nesse óleo (40%). (1)

Obs: quando estocada, a droga perde em torno de 0,5% do óleo essencial por ano. (1)

Atividades Farmacológicas:

  • Antioxidante (1)
  • Carminativa (1)
  • Hepatoprotetora (1)
  • Anti-inflamatória (1)
  • Antimutagênica (1)

Toxicidade / contraindicações / Precauções:

Estudos realizados em ratos e em outros mamíferos não encontram toxicidade. (1) Pesquisas em humanos na índia e em Taiwan também não observaram efeitos adversos. (1)

Alguns estudos indicam que a curcumina não é toxica em doses de até 8000mg/dia por 3 meses. (1)

Existe a possibilidade de alterar biodisponibilidade de outros medicamentos, como os betabloqueadores talinolol, celiprolol e midazolam. (1)

Especula-se que ela possa interferir com a atividade dos antagonistas de receptores histamínicos do tipo 2 (ranitidina) e de bombas de prótons (omeprazol). (1)

Alguns pesquisadores sugerem que a curcumina possa aumentar os efeitos hipolicemiantes dos antidiabéticos ou dos antilipêmicos. (1)

Sua indicação deve ser cuidadosamente avaliada durante a gravidez, lactação e para crianças menores de 4 anos. (1)

O óleo essencial do açafrãoemaltas doses pode ser neurotoxico e abortivo. (1)

Pode ocorrer diarreia e dores abdominais nos primeiros dias de ingestão. (1)

Indicações e principais usos:

  • Dislipidemias, aterosclerose;
  • Dispepsias, úlcera gástrica e flatulências
  • Intoxicação alimentar
  • Colecistite e litíase biliar
  • Artrites e artroses
  • Estresse oxidativo

Posologia:

  • Material fresco 3-9g/dia (1)
  • Pó 1,5-3g/dia (1)
  • Decocção 1-3g do rizoma para 1 xicara (1)
  • Extrato fluido: 1:1 (g/mL) 0,5-3mL (1)
  • Extrato sexo: 95% curcuminoides – 300-600mg/dia (1)

Recomendações nutricionais:

  • 1g de cúrcuma = 30 – 40 mg de curcumina.
  • 300 mg/dia de curcuminóides por pelo menos 8 semanas.
  • O calor reduz a biodisponibilidade da curcumina de 27 a 53%, utilizar no final.

OBS: Não existe evidências o suficiente que comprove os benefícios da curcumina na recuperação e no desempenho em atletas de elite. (4)

Metabolismo e biodisponibilidade:

Foi visto que somente uma dose de 3,6g de curcumina é capaz de produzir concentrações detectável dessa substância na urina e no tecido colorretal. (1)

Foi visto que 400mg-600mg 3x ao dia (dose terapêutica) correspondem a 60g da raiz de cúrcuma fresca ou  15g dela em pó. Isso porque o conteúdo de curcumina gira em torno de 4-5%

Suplementação Nutricional:

Foi visto que a suplementação nutricional de curcumina diminuiu os efeitos adversos de uma dieta rica em gorduras em termos de ganho de peso, dislipidemia e expressão de citocinas inflamatórias e aterosclerose. (3)

Mas não foram observados efeitos estatisticamente significativos da suplementação sobre os níveis de colesterol total, LDL-c, triglicerídeos e HDL-c. (3)

Cureit:

Curcumina biodisponível e altamente bioeficiente que possui propriedades analgésicas, potencial atividade antiinflamatória e antioxidante, pode ser usado no controle de várias doenças, incluindo distúrbios inflamatórios, carcinogênese, doença de Alzheimer, endometriose, patogênese induzida pelo estresse oxidativo e doenças autoimunes, melhora a permeabilidade intestinal.

Dosagem usual: 100 a 500mg, divididos em duas tomadas ao dia. (pós)

Inflamação:

A curcumina  atua no processo inflamatório em vários alvos biológicos, tais como citocinas pró-inflamatórias, que englobam as interleucinas IL-1β, IL-6, IL-8, IL-17, IL-18, fator de necrose tumoral (TNF-α), fator inibidor da leucemia (LIF), fatores de crescimento e transcricionais (STATS, Nf-κB) e seus receptores genes que regulam a proliferação e apoptose celular, enzimas envolvidas no  metabolismo do ácido araquidônico (ciclo-oxigenases e lipo-oxigenases), oxido nítrico sintase induzida (iNOS) e metaloproteinases de matriz (MMPs). (1)

Desse modo, o mecanismo de ação da curcumina é multifacetado, e atua como inibidor da síntese de prostaglandinas, estabilizados das membranas lipossmiais, inibidor da atividade de leucotrienos  e do tromboxano B4. (1)

Doenças degenerativas e Inflamação:

Cada vez mais produtos a base da C. longa tem sido indicado para o tratamento de doenças degenerativas e inflamatórias, que necessitam de um cuidado prolongado. (1)

Nesse rol de doenças, estão as relacionadas ao aparelho locomotor (ossos, articulações e músculos), especialmente a osteoartrite. (1)

Osteoartrite:

Um estudo demonstrou que a C. Longa é tão eficaz quando ibuprofeno na redução da dor em casos de osteoartrite. (1)

Exercício físico e inflamação:

A intensidade e duração do exercício físico podem gerar estímulos inflamatórios, dentre os quais se destacam a expressão de citocinas, como a IL-8, IL-1 e o TNF-α. (4)

As propriedades anti-inflamatórias da curcumina permitem que ela atue inibindo a via de sinalização do NF-Kappaβ e a expressão de citocinas, reduzindo então o processo inflamatório. (4)

Dislipidemias:

Estudos indicam uma atividade sobre o metabolismo lipídico diminuindo o colesterol e lipídios totais, elevando o HDL colesterol e reduzindo os triglicerídeos, foosfolipideos e apolipoproteinas. (1)

Atividade antitrombóticas:

A curcumina isolada mostrou atividade antitrombótica. (1)

Condições Gástricas:

Ensaios clínicos avaliando a utilização dos efeitos da droga em ulceras peptídicas mostraram que a sua administração oral promoveu a cicatrização da ulcera e aa diminuição da dor abdominal. (1)

Estudos pre-clinicos mostraram que C. Longa pode ser eficaz no tratamento de condições gastrointestinais, incluindo dispepsias, síndrome do intestino irritável, colecistite, e ulceras duodenais. (1)

Referências bibliográficas:

1- Saad G de azevedo, Léda PH de oliveira, Sá I manzali, Seixlack AC. Fitoterapia Contemporânea – Tradição e Ciencia na pratica Clínica. 2a Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2016. 441 p.

2- Yuan F, Dong H, Gong J, Wang D, Hu M, Huang W, et al. A Systematic Review and Meta-analysis of Randomized Controlled Trials on the Effects of Turmeric and Curcuminoids on Blood Lipids in Adults with Metabolic Diseases. Adv Nutr. 2019;10(5):791–802.

3- Philippi ST, Pimentel CV de MB, Elias MF. Alimentos Funcionais e compostos bioativos. 1a. São Paulo: Manole; 2019. 893 p.

4- Lancha Jr. AH, Longo S. Nutrição do Exercicio Físico ao Esporte. 1a. São Paulo: Manole; 2019. 262 p.