Disfunção paratireoidiana

Efeitos ósseos:

o PTH é o principal fator determinante da quantidade de atividade de remodelação no esqueleto, logo, pode-se esperar manifestações esqueléticas significativas nos distúrbios da função paratireoidiana. (1)

Pacientes com hipoparatireoidismo apresentam diminuição da remodelação, apresentando uma massa óssea um pouco maior do que a média, e com provavelmente menos fraturas. (1)

Por sua vez, pacientes com hiperparatireoidismo grave e crônico podem apresentar diminuição da massa óssea, perda óssea subperiosteal, remodelação óssea disseminada e bastante ativa e mesmo cistos ósseos repletos de células parecidas com os osteoclastos. Porém hoje, esses são casos raros.(1)

sabe-se entretanto que o hiperparatireoidismo primário, leve e não tratado, resulta em aumento do risco de fraturas, mediada pelo aumento da remodelação óssea pelo PTH. (1)

Quando a hipersecreção de PTH é pulsátil e de curta duração, o PTH é na verdade, trófico para o osso, podendo gerar aumentos bem grandes na densidade óssea da coluna. Sendo inclusive o PTH 1-34 um tratamento aprovado para a osteoporose. (1)

Referências Bibliográficas:

1- Ross AC, Caballero B, Cousins RJ, Tucker KL, Ziegler TR. Nutrição Moderna de Shills na Saúde e na Doença. 11a. São Paulo: Manole; 2016. 1642 p.