Esclerose Lateral Amiotrófica

Última Atualização: 01/04/2021

Diagnóstico:

Alterações Bioquímicas:

Sinais e sintomas:

Objetivo do tratamento:

Tratamento médico:

 farmacologia:

Terapia nutricional:

Resumo:

Suplementação nutricional:

 

Orientações nutricionais:

Creatina:

(+sobre a creatina)

A suplementação de creatina possivelmente atuaria como neuroprotetora, atenuando o dano mitocondrial e, ainda, gerando energia para as células do SNC, por meio da ressíntese de ATP. (1)

Porém, sucessivos estudos não encontraram benefícios na suplementação de creatina para a ELA. Não foi vista nenhuma alteração da força, na qualidade de vida, na fadiga e no questionário específico da doença. (1)

Até o momento evidencias preliminares não encontraram eficácia da suplementação de creatina na ELA. (1)

Outros tratamentos:

Fisiopatologia:

Fatores de risco:

 

Fisiopatologia:

A ELA é uma desordem neurodegenerativa caracterizada pela perda progressiva de neurônios motores no SNC, provocando a paralisação generalizada dos movimentos, tanto de membros inferiores como superiores e, finalmente, levando o paciente a óbito. (1)

O estresse oxidativo, a presença de excitotoxidade por glutamato, o dano mitocondrial e a produção exacerbada de proteínas são fatores que podem estar envolvidos na fisiopatologia da doença. (1)

Foi demonstrado que um distúrbio mitocondrial pode alterar de forma significativa o metabolismo energético na ELA. (1)

Evidencia preliminares apontam para a redução significativa na expressão da enzima CK-BB no SNC (especificamente na medula espinal) em pacientes com ELA. Sugerindo uma possível alteração no metabolismo de Creatina. (1)

Referências bibliográficas:

1- Gualano B. Suplementação de Creatina. 1a. São Paulo: Manole; 2014. 157 p.