Hiperplasia Prostática Benigna – HPB

Tratamento médico:

Farmacologia:

Inibidores da 5-alfa-redutase:

  • Finasterida
  • Dutasterida

Terapia Nutricional:

Resumo:

  • Incluir pêssego, amêndoas, damasco (9)
  • Semente de abobora (10)

Suplementação:

Orientações Nutricionais:

Plantas Medicinais:

  • Saw Palmetto
  • Chá Verde
  • Urtiga
  • Pygeum
  • Prunus sp
  • Semente de abobora
  • Cúrcuma

Saw Palmetto:

(+Sobre o Saw Palmetto)

Um revisão envolvendo 3000 homens sugere que o saw palmetto fornece uma melhora suave a moderada nos sintomas urinários e na medida de fluxo. (1)

Foi visto que ele é capaz de melhorar os sintomas de forma semelhante a finasterida, sendo ainda associada a menos efeitos adversos no tratamento. (1)

Porém, seus efeitos de longo prazo, segurança e habilidade de prevenção às complicações do HBP não são conhecidas. (1)

Chá Verde:

(+Sobre o chá verde)

Foi visto que algumas catequinas especificas do chá verde demonstraram a habilidade de inibir a 5-alfa-redutase, e especificamente a epigalocatequina-3-galato inibiu o crescimento da próstata em ratos. (2)

Urtiga:

(+Sobre a urtiga)

As raízes são mas interessantes na HPB.

Um estudo em humanos utilizou o extrato fluido das raízes, contendo 100mg por mL. Foi dado a cada paciente 120mg de urtiga (1,2mL) 3x ao dia, durante 6 meses. Nesse estudo foi encontrado uma diminuição dos sinais e sintomas, além de um aumento do fluxo urinário máximo e uma diminuição do resíduo urinário pós miccional. (3)

Porém sem alterações no tamanho da próstata, do PSA sérico e dos níveis de testosterona. (3)

Esse estudo não encontrou efeitos adversos, e concluiu que ela pode ser utilizada junto a outras terapia medicamentosas. (3)

Em relação ao seu mecanismo de ação, alguns autores sugerem que ela possa inibir a 5-alfa-redutase, porém isso não é um consenso, enquanto outros sugerem uma ação anti-inflamatória, pela modulação do NFkB. (4)

Além disso a urtiga é capaz de inibir a aromatase, inibindo o feedback negativo de estrógeno e seu consequente estimulo para a produção do DHT. (4)

Pygeum

(+Sobre o pygeum)

Foi visto que o pygeum traz uma melhora da histologia da próstata e do fluxo urinário, além de propriedades antimutagênicas, sendo interessante na prevenção do câncer de próstata. (5)

Ele tem sido utilizado desde 1969 para aliviar os sintomas da HPB na França. (5)

Acredita-se que ela age: Inativando receptores androgênicos, via inibição de translocação nuclear (6); Inibindo fatores de crescimento celular como fibroblastos e fatores de crescimento epidermais (7); através das suas propriedades anti-inflamatórias. (8)

Prunus Sp:

Um estudo mostrou uma melhora do quadro do HPB pelo uso das espécies prunus, incluindo a amêndoas (P. amygdalus); o damasco (P. armeniaca); O pêssego (P. Persica); a ameixa de jardim (P. Domestica) (9) Isso porque todas essas plantas apresentam beta-sitosterol, docosil ferulato e ácido ursólico. (9)

Todas as espécies exibiram melhoras nos sintomas (testosterona-induzidos) em ratos, com destaque na melhora dos resultados histopatológicos, imunoquímicos e bioquímicos da Prunus domestica. (9)

Semente de abobora:

(+Sobre a abobora)

Um estudo de revisão sobre a semente de abobora e sua influencia no HPB, mostrou atividade anti-inflamatória e antiandrogênica, com redução do crescimento da próstata. Além de estudos clínicos melhorando a qualidade de vida, o fluxo urinário, e sinais e sintomas (10)

Cúrcuma:

(+Sobre a Cúrcuma)

Foi visto que em ratos, a cúrcuma apresentou um efeito similar a Finasterida na proteção do aumento do volume e peso da próstata. O mecanismo para isso ocorreu através da diminuição da expressão de VEGF, TGF-beta1 e IGF-1. (11)

Inibidores da 5-alfa-redutase:

Fatores que inibem a 5-alfa-redutase são capazes de retardar o crescimento excessivo da glândula da próstata e pode até mesmo torna-la menor.

Os inibidores dessa enzima podem: melhora sinais e sintomas; aumentar o fluxo urinário; reduzir o volume prostático; prevenir sintomas como a retenção urinaria aguda; prevenir a necessidade de cirurgias.

Fisiopatologia:

Fatores de risco:

  • Genético (Predisposição genética)
  • Envelhecimento (desequilíbrio entre fatores de crescimento e morte programada das células)
  • Síndrome Metabólica (O HPB é um componente da síndrome metabólica)
  • Alterações Hormonais (Valores aumentados de DHT são encontrado nos tecidos prostáticos)
  • Inflamação (A inflamação crônica induz o crescimento fibromuscular prostático)

DHT:

Nas células alvo, a testosterona é convertida a dihidroxitestosterona (DHT) pela enzima 5-alfa-redutase. Estes então se ligam a receptores androgênicos e ativam a transcrição de genes que são essenciais para a caracterização masculina desde a vida uterina.

Sendo assim, fatores que inibem a 5-alfa-redutase são capazes de retardar o crescimento excessivo da glândula da próstata e pode até mesmo torna-la menor.

Referências Bibliográficas:

1- Tacklind J, MacDonald R, Rutks I, Stanke JU, Wilt TJ. Serenoa repens for benign prostatic hyperplasia. Cochrane Database Syst Rev [Internet]. 2012 Dec 12; Available from: https://doi.wiley.com/10.1002/14651858.CD001423.pub3

2- Liao SS, Hiipakka RA. Selective-Inhibition of Steroid 5 α-Reductase Isozymes by Tea Epicatechin-3-Gallate and Epigallocatechin-3-Gallate. Biochem Biophys Res Commun [Internet]. 1995 Sep;214(3):833–8. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0006291X85723625

3- Safarinejad MR. Urtica dioica for treatment of benign prostatic hyperplasia: a prospective, randomized, double-blind, placebo-controlled, crossover study. J Herb Pharmacother [Internet]. 2005;5(4):1–11. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16635963

4- Dhouibi R, Affes H, Ben Salem M, Hammami S, Sahnoun Z, Zeghal KM, et al. Screening of pharmacological uses of Urtica dioica and others benefits. Prog Biophys Mol Biol [Internet]. 2020 Jan;150:67–77. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0079610719300987

5- Andro M-C, Riffaud J-P. Pygeum africanum extract for the treatment of patients with benign prostatic hyperplasia: A review of 25 years of published experience. Curr Ther Res [Internet]. 1995 Aug;56(8):796–817. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/0011393X95850635

6- Ishani A, MacDonald R, Nelson D, Rutks I, Wilt TJ. Pygeum africanum for the treatment of patients with benign prostatic hyperplasia: a systematic review and quantitative meta-analysis. Am J Med [Internet]. 2000 Dec;109(8):654–64. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0002934300006045

7- Lawson RK. Role of growth factors in benign prostatic hyperplasia. Eur Urol. 1997;32(SUPPL. 1):22–7.

8- Paubert-Braquet M, Cave A, Hocquemiller R, Delacroix D, Dupont C, Hedef N, Borgeat P. Effect of Pygeum africanum extract on A23187-stimulated production of lipoxygenase metabolites from human polymorphonuclear cells. J Lipid Mediat Cell Signal. 1994 May;9(3):285-90. PMID: 7921787.

9- Jena AK, Vasisht K, Sharma N, Kaur R, Dhingra MS, Karan M. Amelioration of testosterone induced benign prostatic hyperplasia by Prunus species. J Ethnopharmacol [Internet]. 2016 Aug;190:33–45. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S037887411630335X

10- Damiano R, Cai T, Fornara P, Franzese CA, Leonardi R, Mirone V. The role of Cucurbita pepo in the management of patients affected by lower urinary tract symptoms due to benign prostatic hyperplasia: A narrative review. Arch Ital di Urol e Androl [Internet]. 2016 Jul 4;88(2):136. Available from: http://www.pagepressjournals.org/index.php/aiua/article/view/aiua.2016.2.136

11- Kim SK, Seok H, Park HJ, Jeon HS, Kang SW, Lee B-C, et al. Inhibitory effect of curcumin on testosterone induced benign prostatic hyperplasia rat model. BMC Complement Altern Med [Internet]. 2015 Dec 22;15(1):380. Available from: http://bmccomplementalternmed.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12906-015-0825-y