Leite –

Última Atualização: 22/09/2020

Composição:

O leite de vaca contem quantidade substancial de leucina, isoleucina e valina (aminoácidos de cadeia ramificada), aminoácidos chaves na qualidade proteica. (1)

750 ml de leite contém aproximadamente 35g de lactose. (2)

Processamento:

A pasteurização reduz aa transmissão de diversos patógenos. (1)

A fermentação utilizada na produção de iogurtes, queijos, kefir, entre outros, desnatura peptídeos hormonais, altera proteína de antígenos, reduz a quantidade de lactose, e afeta a composição bacteriana. (1)

Recomendações:

A ingestão ótima de produtos derivados do leite irá depender da qualidade da dieta no geral. (1)

Uma recomendação de 2 porções /dia (2x237ml/dia) para adultos é aceitável, não sendo necessário a ênfase no consumo de produtos desnatados. (1)

Alergia:

(+ sobre alergias alimentares)

A alergia a proteína do leite de vaca afeta cerca de 4% das crianças, causando alguns problemas nutricionais. (1) O leite de vaca, nessas pessoas, pode precipitar exacerbações asmáticas, e condições relacionadas. (1)

Intolerância:

(+ sobre intolerância a lactose)

A má absorção de lactose afeta 65% da população de adultos pelo mundo. (2)

Alguns estudos sugerem que nem toda intolerância ao leite se deve a lactose. (2)

A habituação com a lactose, somada de prebióticos e um trânsito intestinal atrasado foi capaz de modificar os sintomas relacionados a má absorção. (2)

Ação na hipertrofia / crescimento:

Por conter quantidades significativas de proteínas de alto valor biológico, o leite é capaz de aumentar a concentração plasmática de IGF-1, responsável por mediar a ação do hormônio do crescimento. (1)

Além disso, a leucina especificamente, ativa a via do mTOR (mammalian target of rapamycin), promovendo a replicação celular e inibindo a apoptose. (1)

Saúde óssea:

Países com um maior consumo de leite apresentaram as maiores taxas de fraturas no quadril, porém essa não foi uma relação causal, havendo diversos fatores que influenciam na saúde óssea, como Vit D, etnia, entre outros. (1)

De acordo com alguns estudos, não houve beneficio no consumo de grandes quantidades de lácteos na prevenção da fratura óssea. (1)

Mortalidade:

Quando comparado as principais fontes de proteína da dieta com o leite, o leite apresentou uma associação com todas as causas de mortalidade menor que carnes não processadas, ovos e carnes processadas. (1)

Motilidade gástrica:

Dietas contendo A1 β-caseína se mostraram capazes de diminuir a motilidade intestinal, aumentando o tempo de trânsito gastrointestinal (em roedores). (2)

A1 β-caseína foi capaz de aumentar marcadores inflamatórios, maior infiltração de leucócitos, sugerindo mecanismos inflamatórios. (2)

Leites contendo apenas A2 β-caseína se mostram melhores em relação a sintomas em pacientes com má absorção. (2)

Indivíduos intolerantes a lactose apresentaram menores sintomas (náuseas e diarreia) com o consumo do leite contendo apenas a A2 β-caseína. (2)

Parece que a A1 β-caseína amplifica os sintomas de intolerantes a lactose. (2)

Não foram encontradas evidências que o leite contendo apenas A2 β-caseína  diminua a motilidade e aumente o tempo gástrico.

Diabetes:

(+ sobre o diabetes)

Em alguns estudos a ingestão de produtos lácteos foi associado a uma modesta diminuição no risco para diabetes. (1)

Referências bibliográficas:

1- Willett WC, Ludwig DS. Milk and health. N Engl J Med. 2020;382(7):644–54.

2- Milan AM, Shrestha A, Karlström HJ, Martinsson JA, Nilsson NJ, Perry JK, et al. Comparison of the impact of bovine milk β-casein variants on digestive comfort in females self-reporting dairy intolerance: A randomized controlled trial. Am J Clin Nutr. 2020;111(1):149–60.