Leucina –

Última Atualização: 26/08/2021

A leucina, AEE que faz parte do BCAA, além de fundamental para a síntese proteica, é também um sinalizador para a síntese proteica muscular – SPM. Tanto a leucinemia pós-prandial quanto o aumento da concentração intracelular de leucina são estímulos que resultam em aumento da SPM. (1)

A leucina é capaz de estimular fatores anabólicos como a via do mTOR, 70-kDA, e inibir fatores catabólicos como o MuRF-1 e MAFbx.

Assim como ocorre com a suplementação de AACR, a disponibilidade de outros AAEs necessários para a produção de proteína muscular intacta também limita a resposta da suplementação de leucina. (1) Além disso, o excesso de leucina pode prejudicar a síntese proteica por diminuir a captação de outros aminoácidos. (2)

Mas apesar disso, alguns estudos também mostraram que um aumento na proporção de leucina em relação aos aminoácidos essenciais, pode melhorar a hipertrofia em idosos.

  • A leucina tem uma ação de aumento da insulina. Whey pode ser útil para diabéticos por conta disso.
  • Whey e Proteína de soja mostraram uma maior síntese proteica do que a caseína. Ou devido a velocidade de absorção ou pela quantidade de leucina.
  • Síntese proteica não significa hipertrofia. Deve se avaliar o balanço nitrogenado, e se possível a hipertrofia.
  •  A síntese proteica pode estar relacionada a uma maior oxidação, que no fim, não necessariamente significa hipertrofia.

Referências Bibliográficas:

1- Lancha Jr. AH, Rogeri PS, Pereira-Lancha LO. Suplementação Nutricional no Esporte 2a Ed. 2a. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2019. 266 p.

2- Wolfe, R. R. (2017). Branched-chain amino acids and muscle protein synthesis in humans: myth or reality? Journal of the International Society of Sports Nutrition, 14(1)