Raquitismo / Osteomalacia

Fisiopatologia:

O raquitismo é um distúrbio de crescimento ósseo no qual a cartilagem de crescimento falha ao se mineralizar ou alcançar a maturidade de forma normal. (1) O crescimento é interrompido e ocorrem varias deformidades nas placas de crescimento. (1)

A osteomalacia é o distúrbio correspondente em adultos, nos quais a matriz óssea de deposição recente falha ao se mineralizar de maneira adequada. (1)

A formação de matriz nova é mais lenta em ambas condições, mas a mineralização é ainda mais retardada; portanto, a matriz não mineralizada se acumula nas superfícies ósseas microscópicas. Por essa razão, cai a proporção de mineral para a matriz. (1)

Onde, nos casos graves, o osso não mineralizado pode constituir uma porção tão extensa do esqueleto que os ossos individuais perdem sua rigidez e ficam gravemente deformados (pernas encurvadas e má-formação de pelve) (1)

As forma estereotípicas de raquitismo e osteomalacia são aquelas associadas à deficiência de vitamina D. A principal patogênese dessas formas comuns decorre da absorção intestinal insuficiente principalmente do cálcio na dieta. (1)

Na tentativa de manter os níveis sanguíneos de cálcio próximos do normal, o corpo aumenta a secreção de PTH. E um dos efeitos do PTH é o aumento da depuração renal de fosfato, e essa resposta adaptativa faz com que as concentrações de fosfato no sangue, que já eram diminuídas, cheguem a níveis tão baixos que levem à deficiência grave de fosfato, primeiramente circunscrita às proximidades dos osteoblastos e condrócitos, e depois em outros tecidos. (1)

Porém, o raquitismo também se desenvolve por razoes alheias a vitamina D, inclusive pela deficiência extrema de cálcio, toxicidade do flúor e pelo envenenamento por cádmio.(1)

Tais formas de raquitismo, assim como a deficiência de vitamina D, produzem seus efeitos ósseos somente por causa de hipofosfatemia grave. Esse grupo de distúrbios era chamado anteriormente de raquitismo resistente a vitamina D, pois não respondiam a doses usuais da vitamina, sendo o tratamento direcionado para o aumento dos níveis séricos de fosfato. (1)

Referencias Bibliográficas:

1- Ross AC, Caballero B, Cousins RJ, Tucker KL, Ziegler TR. Nutrição Moderna de Shills na Saúde e na Doença. 11a. São Paulo: Manole; 2016. 1642 p.