Taurina – Suplementação, biodisponibilidade, efeitos no organismo…

Última Atualização: 31/08/2021

A taurina é um aminoácido necessário em diversas funções fisiológicas e biológicas do SNC, pode atenuar o aumento dos níveis de colesterol total e do LDL em indivíduos que possuem dieta hipercalórica. Além disso, o produto endógeno derivado da Taurina, age na supressão do estresse oxidativo relacionado com a obesidade e a inflamação nos adipócitos. Esse aminoácido desempenha um importante papel na manutenção da integridade celular do músculo cardíaco e esquelético, retina e do sistema nervoso central. Dosagem usual: até 500mg a 2000 mg ao dia. (pós)

Recomendações nutricionais:

  • Adultos veganos possuem um maior risco para deficiência desse aminoácido. (1)
  • Exercícios de endurance (2)

Suplementação nutricional:

  • Doses eficazes foram entre 0,5-2g. (3)
  • Exercícios de endurance – Doses  1-6g (resultados não foram doses dependentes) (2)
  • 6g/dia – LDL e Colesterol total (1)
  • A dose limite diária sem toxidade foi estabelecida em 3000mg/dia. (3)

Orientações nutricionais:

Segurança:

Existe uma hipótese de que a taurina cause danos cardíacos, porém esta hipótese ainda não foi confirmada pela literatura. (3)

Fisiologia:

A taurina é o produto final do catabolismo da Cys. Sendo isolada pela primeira vez da bile do touro em 1827. (1)

É um ácido orgânico (ácido 2-aminoetanossulfônico) (3)

Ela é encontrada principalmente em produtos de origem animal, sendo pouco encontrada em fontes vegetais.(1)

Já foram sugeridas inúmeras aplicações terapêuticas da taurina, como tratamento de pacientes com hipertensão, doença cardiovascular, diabetes, distúrbios hepáticos, insuficiência renal, sepse e distúrbios inflamatórios. (1)

A taurina é considerada o aminoácido livre mais abundante nos tecidos dos mamíferos, representando cerca de 50-60% do “pool” de aminoácidos, sendo derivada do metabolismo da cisteina. (2,5)

Exercícios de Endurance:

Foi visto que a suplementação de taurina foi capaz de melhorar o desempenho em esportes de endurance, sendo utilizada dosagens entre 1-6g. Mas não foi encontrado uma relação dose – desempenho.  (2)  Além de que, os resultados mostraram apenas uma pequena melhora no desempenho. (2)

O mecanismo por trás dessa melhora ainda se é especulado. Alguns estudos encontraram que a taurina é capaz de aumentar a lipólise e reduzir a contribuição do metabolismo glicolítico, alterando o “combustível” utilizado e melhorando a eficiência do exercício. (2) Outro estudos relacionam os benefícios da taurina com sua capacidade antioxidante, agindo na matriz mitocondrial, melhorando a eficiência do turnover de ATP nas células musculares. (2)

Não foram vistas diferenças entre a suplementação aguda ou crônica da taurina no desempenho esportivo. (2)

Diversos estudos tem demonstrado que a taurina não precisa da cafeína para melhorar o desempenho esportivo. (2)

Termorregulação:

Foi visto que a suplementação de 500mg de taurina 2h antes do exercício pode ajudar na termorregulação, aumentando a taxa de suor, regulando melhor a temperatura e com isso aumentando o tempo até a exaustão. (5)

Cognição:

A taurina juntamente com a cafeína e com o glucuronolactona tem sido vendidas como substancias capazes de melhorar a concentração, o tempo de reação, e o estado de alerta. (4)

Alguns estudos mostraram que esses três ingredientes nas concentrações presentes em uma lata de redbull  (1g de taurina + 80mg de cafeína + 600mg de glucuronolactona) obtiveram efeitos na cognição e no humor. (4)

A taurina é conhecida por modular o humor e por estar envolvida no estresse e no comportamento. O mecanismo para essas ações possivelmente envolvem interações com o sistema de neurotransmissores gabaérgicos, colinérgicos, adrenérgicos. (4)

A taurina geralmente é acompanhada da cafeína evitando picos de estímulos gerados pela cafeína, reduzindo assim possíveis efeitos colaterais. Mecanismo que acontece via sistema gabaérgico.

Metabolismo lipídico:

Em animais de laboratório a taurina induziu maior oxidação de ácidos graxos. (3)

Foi responsável por uma modulação positiva de PPARα, um fator  que induz a expressão de genes envolvidos na oxidação de lipídios no fígado e no aumento da expressão proteica de CPT-1A. (3)

A suplementação oral de taurina (6g/dia) resultou em um decréscimo no LDL e no colesterol total. (1)

A única função da taurina devidamente compreendida é seu papel na conjugação dos ácidos biliares (1)

Neuroproteção:

Há um papel neuro protetor contra lesões excitotóxicas no sistema nervoso dos mamíferos. (1)

A taurina possui um efeito protetor contra os efeitos tóxicos de outras substâncias como a cistina. (1)

Antioxidante:

A taurina possui efeitos antioxidantes (1)

Referências bibliográficas:

1- Ross AC, Caballero B, Cousins RJ, Tucker KL, Ziegler TR. Nutrição Moderna de Shills na Saúde e na Doença. 11a. São Paulo: Manole; 2016. 1642 p.

2- Waldron M, Patterson SD, Tallent J, Jeffries O. The Effects of an Oral Taurine Dose and Supplementation Period on Endurance Exercise Performance in Humans: A Meta-Analysis. Sport Med [Internet]. 2018;48(5):1247–53. Available from: https://doi.org/10.1007/s40279-018-0896-2

3- Lancha Jr. AH, Rogeri PS, Pereira-Lancha LO. Suplementação Nutricional no Esporte 2a Ed. 2a. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2019. 266 p.

4- Seidl R, Peyrl A, Nicham R, Hauser E. A taurine and caffeine-containing drink stimulates cognitive performance and well-being. Amino Acids. 2000;19(3–4):635–42.

5- Kurtz JA, VanDusseldorp TA, Doyle JA, Otis JS. Taurine in sports and exercise. J Int Soc Sports Nutr. 2021;18(1):1–20.