Coenzima Q10 – CoQ10

A coenzima Q10 é uma molécula lipossolúvel, componente essencial da maioria dos sistemas vivos e parte integrante das mitocôndrias das células. Indicado em doenças cardiovasculares como insuficiência cardíaca, insuficiência coronariana, hipertensão arterial, prolapso da válvula mitral, síndrome da isquemiareperfusão, estenose aórtica, doenças periodontais, deficiências imunológicas, doenças neuromusculares, doenças pulmonares crônicas, tratamentos ortomoleculares como antioxidante e suplemento nutricional (já que com a idade diminui a sua concentração no organismo), indicada no tratamento de doenças degenerativas, cerebrovasculares, potente antioxidante. Dosagem usual: 100 mg a 200 mg ao dia (Pós Integrativa)

Suplementação:

Para se observar os efeitos da CQ10, foram necessárias 10 semanas de suplementação. (2)

Resumo:

  • Uso crônico, são necessárias 10 semanas para os efeitos.
  • Administração: CQ10 Solúvel. (maior biodisponibilidade)
  • Doses: 90 – 200mg/dia 1x ao dia junto a refeição.
  • A dose mais baixa tende a ter o melhor custo-benefício

Suplementação nutricional:

  • Idosos:
  • Fibromialgia

Orientações nutricionais (Orientações p/ seu paciente):

  •  

Efeitos Colaterais:

Alguns estudos reportaram coceira e pele avermelhada com o uso da COQ10.  (1)

Biodisponibilidade:

Idosos:

(+Sobre os idosos)

A medida que as pessoas envelhecem a produção de citocinas pró-inflamatórias aumentam. Contudo, ocorre uma redução da síntese de CQ10 endógena, que pode ser suplementada e melhorada. (2)

Fibromialgia:

(+Sobre a fibromialgia)

CQ10 parece ser capaz de reduzir os sintomas da fibromialgia.

A CoQ10 é um composto lipossolúvel (3)

A CQ10 solúvel foi preferida devido a melhor absorção e maior aumento da concentração plasmática, resultando em uma maior biodisponibilidade. (2)

Inflamação:

(+Sobre a inflamação)

CQ10 realiza um papel chave na respiração mitocondrial durante a produção de ATP. (2)

Em animais estudos já demonstraram efeitos anti-inflamatórios da COQ10. (2)

Alguns estudos demonstraram que  a suplementação de CQ10 diminuiu significativamente marcadores inflamatórios como CRP, IL-6, TNF-α. (2)  Porém, uma meta-analise encontrou uma redução apenas nos níveis de TNF-α, não encontra variação em outros valores. (1)

Apesar de ainda não haver um consenso sobre como a CQ10 diminui a inflamação, é proposto que isso ocorre com a diminuição da expressão de NF-kβ. (2) o NF-kβ pode ser ativado por espécies reativas de oxigênio,  sendo responsável pelo aumento da expressão de marcadores como TNF-α e IL-6. (1,2)

Lipoproteinas:

A CQ10 tende a ser uma referencia no tratamento da peroxidação lipídica.

Uma meta-analise recente mostrou que a suplementação de CQ10 reduziu as concentrações plasmáticas de lipoproteína (a), que já foi identificada como a carreadora dos fosfolipideos oxidados, envolvidos na piora do processo inflamatório. (2)

A modulação do perfil lipídico através da suplementação da CQ10 representa um oportunidade adicional para reduzir o risco cardiovascular geral. (2)

Diabetes:

(+Sobre o diabetes)

Um estudo encontrou que a suplementação de 200mg/dia de CoQ10 por 12 semanas foi capaz de melhorar a HbA1C, além de melhorar também a função endotelial e a pressão sanguínea. (4)

CoQ10 pode melhorar a resistência a insulina através da melhora da função das células beta, diminuindo assim a necessidade de insulina em pacientes diabéticos. (4)

Câncer:

(+Sobre o câncer)

O mecanismo associado ao câncer é através da melhora do sistema imune com melhora do sistema antioxidante.

Enxaqueca:

(+Sobre a enxaqueca)

Existe uma boa base cientifica associando a enxaqueca a desordens mitocondriais. (4)

Alguns estudos tem encontrado prejuízos no metabolismo energético nos pacientes com enxaqueca. Desse modo, alguns autores suplementaram 150mg/dia de CoQ10 gerando uma redução de 50% do numero de dias com a dor de cabeça, independentemente do paciente apresentar ou não áurea. (4)

Estatinas:

(+Sobre as estatinas)

O mecanismo das estatinas acaba interferindo a produção das coenzimas pela inibição da via da HMG-CoA redutase. (5) Foi visto que as concentrações de COQ10 diminuem no sangue de usuários de estatinas, porém a importância biológica desse efeito ainda não é clara. (5)

No musculo, foi visto alguma redução, porém, não de forma unanime. Além disso, não há provas que a diminuição das concentrações de COQ10 no musculo sejam responsáveis pela SAMS (sintomas musculares associados a estatina), podendo haver outros responsáveis por esse efeito. (5)

A baixa pratica de atividade física pode influenciar nos níveis da COQ10, porém, pacientes que utilizam a estatina tendem a não ter um estilo de vida tão regrado, podendo significar uma redução de COQ10. Além disso, a própria SAMS pode induzir uma redução da quantidade de atividades físicas, influenciando nos níveis da COQ10.(5)

Um estudo mostrou que pacientes que utilizavam estatinas, independente do uso da COQ10 tenderam a apresentar dores musculares, não havendo diferença com o uso da COQ10. (5)

Os autores desse estudo indicam o uso da coq10 apenas em pacientes que se referem a ela como um “tratamento”, naqueles que acreditam que ela poderia ajudar, sendo utilizada como um efeito placebo. (5)

Segurança:

A ADI (acceptable daily intake) é uma estimativa de quanto determinado alimento pode ser ingerido diariamente pelo resto da vida sem causar danos à saúde. No caso da CoQ10, a ADI estimada é de 12mg/kg/dia. (3)

Algumas pessoas relataram efeitos colaterais leves como náuseas, irritações e coceiras na pele e irritabilidade (3)

O único cuidado que devemos ter é com pacientes com prejuízos hepáticos, pois a CoQ10 pode não ser devidamente metabolizada, se acumulando no organismo. (4)

Interação Droga-Nutriente:

O uso de drogas para redução do colesterol como a lovastatina, pravastatina, que são inibidores da enzima HMG-CoA reductase, acabam reduzindo os níveis da CoQ10 também! (4)

Fisiologia:

A CoQ10 é um composto sintetizado por mamíferos e plantas. (3)

A Coenzima Q10 – CQ10 ou Ubiquinona é uma benzoquinona lipossolúvel, antioxidante intracelular, que pode ser sintetizada endogenamente pelas células do corpo ou pode ser obtida naturalmente pela dieta. (2,3)

Sua forma predominante no organismo é a ubiquinol (3)

Além disso a CoQ10 é um carreador essencial de elétrons, atuando na produção de ATP na cadeia respiratória mitocondrial. (3) Devido a isso a CoQ10 afeta todas as células do corpo, especialmente aquelas com uma alta demanda energética. (4)

A CoQ10 é responsável por manter as mitocôndrias, a membrana fosfolipídica, o LDL-C livre do dano oxidativo causado por radicais livres. (2)

Diversas desordens neurodegenerativas e doenças já foram associadas a baixos níveis de CoQ10. (4)

Nosso corpo produz a coenzima, porém ela pode ser absorvida através de fontes alimentares, principalmente fontes animais. Ela é mais presente em orgãos com grande produção de energia, figado, coração, rim… (5)

Referências bibliográficas:

1- Zhai J, Bo Y, Lu Y, Liu C, Zhang L. Effects of coenzyme Q10 on markers of inflammation: A systematic review and meta-analysis. PLoS One. 2017;12(1):1–11.

2- Fan L, Feng Y, Chen GC, Qin LQ, Fu C ling, Chen LH. Effects of coenzyme Q10 supplementation on inflammatory markers: A systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Pharmacol Res [Internet]. 2017;119:128–36. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.phrs.2017.01.032

3- Hidaka T, Fujii K, Funahashi I, Fukutomi N, Hosoe K. Safety assessment of coenzyme Q 10 ( CoQ 10 ). 2008;32:199–208.

4- Garrido-Maraver J. Clinical applications of coenzyme Q₁₀. Front Biosci [Internet]. 2014;19(4):619. Available from: https://fbscience.com/Landmark/articles/10.2741/4231

5- Zaleski AL, Taylor BA, Thompson PD. Coenzyme Q10 as Treatment for Statin-Associated Muscle Symptoms—A Good Idea, but…. Adv Nutr [Internet]. 2018 Jul 1;9(4):519S-523S. Available from: https://academic.oup.com/advances/article/9/4/519S/5055942