Grelina:

Última Atualização: 20/09/2021

A grelina é um peptídeo produzido nas células Gr do trato gastrointestinal, sendo também produzida em menores quantidades no sistema nervoso central, rins, placenta e coração. (1)

A grelina é um potente estimulador da liberação de GH, nas células somatotróficas da hipófise e do hipotálamo, sendo o ligante endógeno para o receptor secretagogo de GH (GHS-R). (1)

A grelina possui ainda outras funções:

  • Estimulação da secreção lactotrófica e corticotrófica
  • Atividade orexígena acoplada ao controle do gasto energético
  • Controle da secreção ácida e da motilidade gástrica
  • Influencia sobre a função endócrina pancreática e metabolismo da glicose
  • Ações cardiovasculares

Efeitos antiproliferativos em células neoplásicas.

Estudos mostraram que a administração de grelina gerou um aumento do debito cardíaco sem nenhuma modificação de sua frequência. (1)

A grelina em sua forma ativa (grelina acilada) exerce maio papel no organismo, entretanto sua forma inativa (não-acilada) circula em maiores quantidades no organismo desempenhando ainda papeis importantes, incluindo o efeito cardioprotetor e as ações antiproliferativas, devido a sua ligação a diferentes subtipos de receptores GHS. (1)

Estudos em animais mostraram que a grelina independente do GH, diminui a oxidação das gorduras e aumentando a ingestão alimentar e a adiposidade. (1)

Os níveis de grelina são influenciados por mudanças no estado nutricional, estando sua concentração elevada na anorexia  e reduzida durante a obesidade. (1)

  • Durante o jejum prolongado e/ou durante estados de hipoglicemia os níveis circulantes do hormônio são aumentados. (1)
  • Após a refeição ou após a administração de glicose intravenosa, seus níveis abaixam. (1)
    • Estudos mostram que não é o volume responsável pela alteração dos níveis do hormônio, mas o tipo de nutriente contido na refeição. (1)
    • Refeições ricas em carboidratos (com aumento da insulina plasmática) reduzem seus níveis. Já refeições ricas em proteínas animais e gorduras, associadas a pequenas elevações de insulina, tendem a elevar os níveis de grelina (1)

Referências bibliográficas:

1- Romero CEM, Zanesco A. O papel dos hormônios leptina e grelina na gênese da obesidade. Rev Nutr. 2006;19(1):85–91.