Hormônio do crescimento – GH

Hormônio do crescimento também é chamado de Hormônio Somatotrópico ou Somatotropina. (1)

O hormônio do crescimento age em praticamente todos os tecidos do organismo.  Não havendo um tecido alvo especifico. (1)

Promove o aumento de tamanho das células e elevação do numero de mitoses, causando a multiplicação e diferenciação especifica de alguns tipos celulares, tais como as células de crescimento ósseo e células musculares iniciais. (1)

Seu efeito mais “obvio” é o de elevar o crescimento esquelético. (1)

  • Aumentando a deposição de proteínas pelas células osteogênicas e condrocíticas, gerando crescimento ósseo. (1)
  • Aumentando a reprodução dessas células. (1)
  • Efeito específico de conversão de condrócitos em células osteogênicas, ocasionando, assim, a deposição de osso novo. (1)

O GH leva o fígado a formar diversas proteínas, chamada de somatomedinas (também chamadas de IGF), aumentando todos os aspectos do crescimento ósseo. (1)

A mais importante delas é a somatomedina C (IGF-1).

Após a união das epífises ósseas não é mais possível ocorrer  um crescimento adicional do ossos, contudo outros tecidos continuam a crescer durante toda a vida. (1)

O GH apresenta diversos efeitos metabólicos:

Aumento da síntese de proteínas na maioria das células do corpo (1)

Aumento da mobilização de ácidos graxos do tecido adiposo, aumento da utilização dos ácidos graxos, como fonte de energia. (1)

Resistência a insulina, também chamados de efeitos Diabetogênicos.

Redução da captação de glicose pelos tecidos, como o músculo esquelético e adiposo. (1)

Aumento da produção de glicose pelo fígado. (1)

Aumento da secreção de insulina. (1)

Em parte isso se deve ao aumento sérico de ácidos graxos que diminuem a eficiência da ação da insulina. (1)

O GH aumenta a quantidade de proteínas do corpo, utiliza as reservas de gordura e conserva os carboidratos. (1)

O GH aumenta quase todos os aspectos da captação de aminoácidos e da síntese proteica pelas células e, ao mesmo tempo reduz a destruição das proteínas. (1)

A capacidade da insulina de aumentar o transporte de alguns aminoácidos para as células é especialmente importante, do mesmo modo como ela estimula o transporte da glicose. (1)

Ele apresenta um efeito especifico liberando ácidos graxos do tecido adiposo, aumentando seus níveis nos líquidos orgânicos. Essa mobilização exagerada também provoca muitas vezes o acumulo de gordura no fígado! (1)

A secreção do hormônio diminui com a idade, chegando a apenas 25% em idades avançadas. (1)

  • Crianças e adolescentes: 6 ng/ml
  • Adultos 20-40 anos: 3 ng/ml
  • Idosos >40: 1,6 ng/ml

Fatores que estimulam a secreçãoFatores que inibem a secreção
Diminuição da glicose sanguíneaGlicose sérica aumentada
Diminuição dos ácidos graxos livres no sangueAumento dos ácidos graxos livres no sangue
Aumento dos aminoácidos no sangue (arginina)Envelhecimento
Privação ou jejum deficiência de proteínasObesidade
Traumatismo, estresse excitaçãoHormônio inibidor do hormônio do crescimento (somatostatina)
ExercíciosHormônio do crescimento exógeno
Testosterona, estrogênioSomatomedinas (IGF)
Sono profundo (estagio II e IV) 
Hormônio liberador do hormônio de crescimento grelina. 

Referências bibliográficas:

1- Hall JE, Guyton AC. Tratado de Fisiologia Médica. 13a. Rio de Janeiro: Elsevier; 2017. 1–1176 p.