Vicio alimentar

Diagnostico:

O diagnostico é baseado na DSM-5 (1)

DSM-5:

  • Substância frequentemente ingerida em quantidades maiores ou por um período mais longo do que o planejado.
  • Desejo persistente ou esforços malsucedidos para reduzir ou controlar o uso da substância.
  • Muito tempo é gasto em atividades necessárias para obter ou usar a substância ou recuperar-se de seus efeitos.
  • Desejo ou forte desejo ou necessidade de usar a substância.
  • Uso recorrente de substâncias, resultando em não cumprimento das obrigações de papéis principais no trabalho, na escola ou em casa.
  • Uso contínuo, apesar de ter problemas sociais ou interpessoais persistentes ou recorrentes causados ​​ou exacerbados pelos efeitos da substância.
  • Atividades sociais, ocupacionais ou recreativas importantes são abandonadas ou reduzidas devido ao uso de substâncias.
  • Uso recorrente de substâncias em situações nas quais é fisicamente perigoso.
  • O uso da substância é continuado, apesar do conhecimento de ter uma persistência ou recorrência física ou psicológica problema que provavelmente foi causado ou exacerbado pela substância.
  • Tolerância
  • Necessidade de quantidades marcadamente aumentadas da substância para atingir a intoxicação ou o efeito desejado.
  • Efeito nitidamente diminuído com o uso continuado da mesma quantidade da substância.
  • Abstinência
  • Síndrome de abstinência (difere por substância) A substância é usada para aliviar ou evitar os sintomas de abstinência.

Tratamento:

Pacientes viciados, as substancias causadoras do vicio devem ser completamente restritas. (1)

Fisiopatologia:

Substancias especificas geram uma secreção excessiva de dopamina, que geram um sentimento de prazer exacerbado, o que leva o individuo a uma procura constante pelo reforço desse estimulo. (1)

Referências Bibliográficas:

1- Bąk-Sosnowska M. Differential criteria for binge eating disorder and food addiction in the context of causes and treatment of obesity. Psychiatr Pol. 2017;51(2):247–59.