Vinho – Composição, efeitos no organismo, recomendações…

Última Atualização: 29/01/2021

Recomendações nutricionais:

  • 240 ml/dia de vinho tinto – CFM (2º consenso brasileiro para o tratamento da hipertensão arterial). (1)
  • 140 ml/dia – USDA 2005 (Dietary guidelines advi-sory committee). (1)
  • 90-120ml/dia – AHA (American heart Association). (1)
  • 120ml por dose, 3x p/ Homens; 2x p/ Mulheres. (Níveis aceitáveis de consumo) – OMS (1)
  • Sempre acompanhado das refeições. (1)
  • 30g/dia de álcool p/ homens. (1)
  • 15g/dia de álcool p/ mulheres. (1)
  • 0,5g de álcool por kg/peso /dia. (1)

Apesar de existirem inúmeros estudos mostrando a eficácia do resveratrol na saúde, ainda não há um consenso sobre o consumo de vinho, visto que o álcool pode gerar diversos problemas à saúde e dependência. (1)

Orientações nutricionais:

Para alcançar o máximo de benefícios do resveratrol, o vinho deve ser consumido junto a refeição, pois o ácido cinâmico presente no vinho estimula a vesícula biliar a descarregar uma quantidade maior de bile no intestino delgado, melhorando e aumentando a digestão das gorduras. (1)

Outro fator importante é que o alimento retarda a absorção do álcool, com isso o vinho ingerido junto às refeições melhora a absorção do resveratrol, permitindo que os dois atuem sinergicamente. (1)

Segurança:

Resveratrol:

O resveratrol – (trans-3,5,4-trihidroxiistilbeno) é um polifenol de defesa, que pode ser encontrada em varias plantas, mas principalmente, nas cascas da uva vermelha. (1)

Na uva, o resveratrol é concentrado na casca, havendo baixíssima concentração dele na poupa da fruta em si. Geralmente a concentração varia entre 50-100mcg/g (1)

As uvas mais abundantes em resveratrol são: Vitis vinífera no vinho Merlot; V. labrusca e V. muscadine no vinho tipo Moscatel. (1)

Nas uvas, a concentração de resveratrol aumenta durante a fermentação em presença da casca, mas essa quantidade é dependente da variedade da uva e das condições enológicas. (1)

Sua extração da casca pode ser facilitada com o etanol produzido durante o processo de fermentação. (1)

Ele esta relacionado a luz UV-B, sendo ela responsável pelo aumento das enzimas que geram a biossíntese de flavonoides, os quais podem proteger a uva da injuria por raios UV, prevenindo o dano ao material genético da planta. (1)

Diabetes:

No diabetes o resveratrol acaba afetando a secreção de insulina e consequentemente suas concentrações no sangue. (1)

Obesidade:

Na obesidade, estudos tem relatam a redução de peso corporal e da adiposidade. (1)

Câncer:

O resveratrol tem a capacidade de interferir em alguns tipos de câncer como de mama, próstata, pulmão, cólon, estomago e ovário. (1)

Quando administrado em pequenas doses, associado a quimioterápicos, ele reduz os efeitos tóxicos dos quimioterápicos sobre as células normais, melhorando a eficácia do tratamento. (1)

Alguns estudos tem mostrado inclusive que o resveratrol diminui as ocitocinas inflamatórias dos macrófagos alveolares, por isso acredita-se que os fumantes que consomem vinho tinto tem menos chances de desenvolverem câncer de pulmão. (1)

Dislipidemia:

O resveratrol diminui os níveis de lipídios no soro sanguíneo e na agregação plaquetária, aumenta o HDL, ajuda a remover o colesterol LDL,  e prevenir a obstrução das artérias.

Referências bibliográficas:

1- Philippi ST, Pimentel CV de MB, Elias MF. Alimentos Funcionais e compostos bioativos. 1a. São Paulo: Manole; 2019. 893 p.