Vitamina B6 – Piroxidina – Metabolismo, biodisponibilidade, suplementação, recomendações…

Última Atualização: 06/08/2021

A vitamina B6 também conhecida como piridoxina, é utilizada nos tratamentos e na prevenção dos estados de carência desta no organismo, no tratamento de certos distúrbios metabólicos, na depressão e outros sintomas associados a TPM e ao uso de anticoncepcionais. É uma vitamina hidrossolúvel, envolvida principalmente no metabolismo dos aminoácidos e também no metabolismo glicídico e lipídico, necessária também para a formação da hemoglobina. Dosagem usual: até 300mg diariamente. (Pós Integrativa)

Diagnóstico:

Deficiência bioquímica:

É rara e geralmente ocorre em conjunto com outras deficiências das vitaminas do complexo B em casos de desnutrição severa. (1)

Sintomas:

  • Anemia microcítica
  • Dermatite seborreica
  • Depressão
  • Convulsões
  • Confusão mental

Objetivo do tratamento:

Tratamento médico:

Farmacologia:

Recomendações nutricionais:

RDA: 1,7 mg/dia

UL: 100mg/dia

Fontes: Banana (principal fonte), ameixa, abacate, oleaginosas, fígado, frango, salmão, atum, leite, leguminosas, germe de trigo, aveia.

  • O cozimento leva a perda significativa desse nutriente. (1)

Biodisponibilidade e Metabolismo:

Forma ativa: piridoxal-5-fosfato.

O status de B2 é essencial para a conversão de piridoxina em piridoxal-5-fosfato

Suplementação nutricional:

  •  Síndrome do túnel do carpo
  •  Síndrome pré-menstrual

Toxicidade:

Não foram encontrados efeitos tóxicos com alimentos. (1)

O uso de suplementos em doses elevadas pode desencadear neuropatia periférica e lesões dermatológicas. (1)

Suplementação e TPM: (+ sobre TPM)

Uma revisão mostrou que a suplementação de 50 a 100mg/dia de Vit. B6 pode trazer benefícios em relação aos sintomas. (3)

Apesar de as evidencias serem fracas, a suplementação pode ser utilizada durante o período pré-menstrual. (3)

O mecanismo para esse efeito é baseado no fato de que a vitamina B6 é cofator para a produção de diversos neurotransmissores, e durante a fase lútea, devido ao espessamento endometrial, há um maior consumo dessa vitamina, podendo gerar algum tipo de “deficiência momentânea”. (4)

Suplementação e desempenho:

De acordo com o último posicionamento do ACSM (2016) sobre suplementação de micronutrientes, não há qualquer indicação de suplementar vitaminas do complexo B, salvo em casos em que haja deficiência previamente comprovada. (2)

Orientações nutricionais:

Outros tratamentos:

Fisiologia:

Existe em três formas químicas principais: piridoxal, piridoxina e piridoxamina. (1)

No metabolismo humano, a principal coenzima presente está na forma de éster de fosfato, a piridoxal-5’-fosfato (PLP). (1)

A piridoxina tem  como função mais importante sua participação no metabolismo de proteínas e aminoácidos. (2)

Ela atua na síntese de heme, podendo gerar a anemia sideroblástica. (Pós-VP)

Funções:

A PLP é um cofator para diversas enzimas envolvidas no metabolismo de carboidratos, lipídios e proteínas. (1)

Ela tem ação no sistema nervoso central – SNC, tendo em vista  que a síntese de diversos neurotransmissores como a serotonina, dopamina, norepinefrina e GABA são dependentes de PLP. (1)

A síntese do grupo heme da hemoglobina também é dependente da PLP. (1)

Ele atua também na transcrição genica dos hormônios esteroides. (1)

Referências Bibliográficas:

1- Lancha Jr. AH, Pereira-Lancha LO. Nutrição e Metaboslimo Aplicados à Atividade Motora. 2a. São Paulo: Atheneu; 2012. 236 p.

2- Lancha Jr. AH, Rogeri PS, Pereira-Lancha LO. Suplementação Nutricional no Esporte 2a Ed. 2a. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2019. 266 p.

3- Wyatt KM, Dimmock PW, Jones PW, Brien PMSO. syndrome : systematic review. 1998;1375–81.

4- Silva SMCS, Mura JDP. Tratado de alimentação, nutrição & dietoterapia. 3a Ed. São Paulo: Editora Pitaya; 2016. 1308 p.